Suzuki V-Strom 1000 ganha versão mais aventureira para 2018

Suzuki atualiza sua bigtrail com mais eletrônica e melhor ergonomia e lança a nova "XT", com rodas raiadas e vocação off-road

 

 

 

A Suzuki atualizou a linha V-Strom, que passou por um face-lift, ganhou mais tecnologia e teve sua ergonomia aprimorada, para entrar na disputa pelo crescente mercado de bigtrails. A fábrica japonesa também lançou uma nova versão “XT”, com rodas raiadas e uma proposta mais aventureira. Apresentada recentemente como modelo 2018, a V-Strom 1000 XT tem preço sugerido de US$ 13.299 nos Estados Unidos. Valor pouco superior à versão standard, com rodas de liga-leve, e vendida por US$ 12.999. 

O design da V-Strom 1000 foi atualizado. Seu para-lama dianteiro ficou mais protuberante, remetendo à DR 800 da década de 1990, a clássica “DR. Big”. As carenagens foram redesenhadas e transmitem um ar de mais robustez. O para-brisa, 49 mm mais alto que no modelo anterior, pode ser ajustado em três posições para aumentar a proteção aerodinâmica. A versão XT conta ainda com guidão de alumínio reforçado.

 

 

V2 menos poluente

O motor de dois cilindros em “V” a 90° com 1.037 cm³ de capacidade, duplo comando no cabeçote e refrigeração líquida manteve a mesma arquitetura, porém ganhou um novo sistema de alimentação para atender às novas leis de emissão Euro 4. A boa notícia é que a potência de 100 cv (a 8.000 rpm) foi mantida, mas o torque caiu levemente: de 10,5 kgf.m para 10,3 kgf.m mas já a 4.000 giros

Outra novidade é o assistente de baixos giros, um sistema que automaticamente eleve as rotações ao apertar a embreagem ou pilotar em baixos giros. Evitando, dessa forma, que o motor “morra”. Pensando em facilitar ainda mais a vida do motociclista aventureiro, a Suzuki também criou o “Easy Start System”, um dispositivo que permite dar a partida na moto com apenas um toque no botão – ao invés de ficar segurando até que o motor comece a funcionar. Embreagem assistida e câmbio de seis marchas completam o conjunto motriz da bigtrail da Suzuki. A transmissão final é feita por corrente. 

 

 

Eletrônica de última geração

O controle de tração em três níveis (1, 2 e desligado) foi herdado do modelo anterior, e agora ganhou uma luz indicativa no completo painel quando entra em ação. Mas o sistema de freios ABS é completamente novo e se utiliza da tal Unidade de Medição Inercial (IMU) da Bosch, que faz uma leitura em cinco eixos da moto, e conta também com um sistema combinado. 

De acordo com a Suzuki, o novo sistema faz uma melhor distribuição da frenagem em situações críticas e nas curvas, além de evitar o travamento das rodas. O “hardware” do sistema de freios são discos duplos de 300 cc com pinças radiais Tokico, na dianteira; e disco simples com pinça Nissin, na traseira.

 

 

Ciclística reforçada

Feito em alumínio, o quadro de dupla trave superior da V-Strom 1000 XT oferece um bom equilíbrio entre rigidez e flexibilidade para garantir estabilidade nas curvas. A balança traseira também é feita em alumínio.

O conjunto de suspensão é formado por garfos telescópicos invertidos (upside-down) com tubos de 43 mm totalmente ajustável na dianteira. Na traseira, monoamortecedor também com ajustes na compressão, retorno e pré-carga da mola. Ambos são da marca KYB. 

ESTA GOSTANDO DESTA REPORTAGEM? Tem mais na R3!!!

Ducati Multistrada 1200 Enduro Pro foge do tradicional

Yamaha T7 mostra futuro da linha de aventureiras Ténéré

CERCA DE 2 MIL MOTOCICLISTAS JÁ PASSARAM PELO MOTOCHECK-UP 2017

Viajar de moto no final de semana: os 6 passos para o sucesso

A grande novidade da V-Strom 1000 XT são os aros de alumínio DID com raios centralizados. A configuração possibilitou a instalação de pneus Bridgestone BW 501 e BW 502 sem câmara (tubeless), nas medidas 110/80R-19, na frente; e 150/70-18, atrás. As rodas raiadas são mais resistentes para enfrentar pedras e obstáculos.

 

Forte concorrência

O segmento de bigtrails é um dos mais disputados atualmente. Praticamente todos os fabricantes têm modelos com diversos atributos e propostas para brigar pela preferência do motociclista aventureiro. 

A BMW R 1200 GS é o modelo de referência no segmento com um bom equilíbrio entre conforto touring e vocação fora-de-estrada. Triumph Tiger Explorer 1200 e Yamaha XT 1200Z Super Ténéré seguem no mesmo caminho. A Honda apostou em uma vocação mais off-road com a leve e menos potente CRF 1000 L Africa Twin. Já a Suzuki com as duas versões da V-Strom 1000 parece ter procurado um meio termo.

Com 232 kg em ordem e marcha e roda aro 19 na dianteira, a V-Strom 1000 XT não é tão leve e valente quanto a Africa Twin e nem tão pesada e confortável como a Triumph Explorer, por exemplo. A Suzuki buscou fazer uma aventureira capaz de rodar na terra, mas que também oferece conforto e autonomia (tanque para 20 litros) de uma moto touring. 

A J.Toledo/Suzuki comercializa a versão anterior da V-Strom 1000 ABS, lançada em 2014, no Brasil. A empresa não informou se pretende trazer a nova V-Strom 1000 XT para o País. 

Fotos: Divulgação 

Fonte: Agência Infomoto

Leave your comments

Post comment as a guest

0
terms and condition.

Comments