Indian chega de vez no Brasil e disponibiliza alguns modelos

Além do modelo de entrada, marca norte-americana anuncia Chief Classic (R$ 79.990) e Chief Vintage (R$ 89.990). Dois mil e treze foi um ano especial para a história da motocicleta. Depois de uma série de tentativas frustradas, a marca de motos mais antiga dos Estados Unidos foi revivida com o lançamento da Indian Chief. A história da americana Indian é longa, começou em 1901 antes mesmo da Harley-Davidson, mas até agora esteve distante do Brasil. Enquanto a Harley crescia e alcançava novos mercados, a Indian fechava as portas na década de 1950.

Agora renascida pelas mãos da também americana Polaris, a marca inicia a montagem em Manaus (AM) e começa a ser vendida no país neste mês em São Paulo (SP) e a partir de novembro em Belo Horizonte (MG), Rio de Janeiro (RJ) e Florianópolis (SC).

Chief Vintage

A linha inicia com as Indian Chief Classic (R$ 79.990) e sua versão Vintage (R$ 89.990), além da jovial Scout (R$49.990), todas começam a ser comercializadas a partir de novembro e a previsão de venda é de 800 unidades no primeiro ano - sendo metade somente pra Scout. No começo de 2016 as touring se juntarão a elas na linha de montagem brasileira, completando a família com a Chieftain e a Roadmaster, ainda sem preço definido. Chief e Scout são modelos criados no início da década de 1920 com propostas diferentes, a primeira mais confortável e luxuosa com seus adereços estéticos e a segunda mais ágil e orientada para performance (a escolhida para corridas, provas de subida de montanha e exibições na parede da morte).

Assim elas renasceram neste século 21, unindo a tradição e suas origens estéticas a um pacote de tecnologia atual: a Chief é uma estradeira confortável que prioriza o torque em baixas rotações com seu V2 de 1.811cc; a Scout é mais leve, tem dimensões menores, elementos de design contemporâneos como os vincos e o radiador para a refrigeração líquida de seu motor V2 de 1.133cc, que dá mais atenção à potência. Todas com chassi de alumínio e freios ABS de série – cruise control ou “piloto automático” está em toda a linha Chief.

Chief Classic

Os para-lamas envolventes da nova Chief possuem as características capas laterais que escondem parte das rodas e a cabeça de índio esculpida na dianteira, ambos itens criados pela marca na década de 1940. Pneus com faixas brancas, faróis auxiliares e pedaleiras do tipo plataforma também são itens de série.

Além da Chief Classic foram criadas outras duas versões, a Chief Vintage, a Chieftain e a Roadmaster. A Vintage difere apenas pela presença de para-brisa, assentos de couro caramelo e malas laterais com franjas; a Chieftain recebe malas rígidas com travamento remoto e carenagem frontal que abriga um painel digital com recursos adicionais – monitoramento de pressão dos pneus, percentual utilizado da vida útil do óleo do motor, sistema de som AM/FM Bluetooth com conexão para celular e para-brisa elétrico –; e a Roadmaster inclui mala superior com encosto para garupa e bagageiro, plataformas traseiras, aquecimento de bancos e manoplas, para-brisa alto e sistema de som com o dobro de potência.

Usinas de força

O motor V2 de 1.811cc é completamente novo e foi criado pela Polaris exclusivamente para equipar a linha Chief. A estética do novo propulsor, batizado de Thunder Stroke 111 (polegadas cúbicas, medida de capacidade volumétrica mais usual nos Estados Unidos) recebeu atenção especial: preocupados em manter a identidade da marca, os engenheiros aplicaram acabamento inteiramente cromado e formas que remetem às dos motores usados nos modelos antigos, com aletas de refrigeração compondo um contorno arredondado, também aplicado às tampas de cabeçote. O Thunder Stroke produz torque de 16,5 kgf.m a 3.000 rpm, rendimento obtido pela Harley-Davidson apenas no motor das topo de linha CVO (16 kgf.m a 3.750 rpm).

Scout

Com a Scout a história é outra, o projeto do motor está mais próximo do usado pela Harley-Davidson V-Rod, com refrigeração líquida, capacidade para alcançar altos regimes e 100 cv. É preto com contornos polidos e tampas cromadas, uma aparência moderna e singular que se junta à identidade criada pelas traves retas do chassi de alumínio e o banco de couro caramelo. A lista de acessórios de fábrica é extensa, assim como faz a Harley-Davidson, e as concessionárias também contarão com uma coleção de roupas e equipamentos de segurança Indian. 

Fonte: revistaduasrodas.com.br

Leave your comments

Post comment as a guest

0
terms and condition.

Comments