KTM 1290 Aventura insana!

Super Aventura

Com motor mais potente e muito mais eletrônica, a nova KTM 1290 Super Adventure é atualmente a moto de desejo de muito motociclistas.

A KTM 1290 Super Duke R foi mostrada pela primeira vez em Milão, em 2012 ainda como conceitos. Naquele momento, não acreditamos no que estávamos vendo. Na época ela parecia tão por cima das demais motos que chegava a ser absurdo. Mas agora, depois de conviver com a Super Duke R por mais de um ano, acumulando muitos quilômetros nas duas versões da 1190 Adventure, colocar o motor 1301 bicilíndrico na nova 1290 Super Adventure faz muito sentido.

Com um dos melhores pacotes eletrônicos sobre duas rodas, a Super Adventure pode ser o que você quiser. Uma tourer devoradora de quilômetros? Tranquilo. Uma aventureira? Tranquilo também! Uma hooligan insana? Sem problema!! Com gerenciamento de motor, e agora de suspensão, tão avançados, não há nada como potencia extra. Com uns poucos toques no menu on-board, a Super ADVpode ser obediente como um gatinho ou feroz como um tigre. Mas este enorme bicilíndrico é apenas parte da novidade da moto, ela tem uma variedade de outros equipamentos igualmente notáveis, embora nenhum deles chame tanta atenção quanto o motor.

Mas, ainda assim, vale citar os equipamentos que se destacam: a suspensão semiativa WP, controle de velocidade de cruzeiro, assento aquecido, piscas de LED, controle de freio motor eletrônico e controle de partida de rampas. Eles não são apenas novos na linha KTM, como são inéditos na própria marca austríaca.

A marca, você sabe, esta de volta ao Brasil e, claro, ficamos ansiosos com a possibilidade de pilotar a 1290 por aqui. Consultamos a representante local para saber se o modelo estava nos planos e a resposta foi evasiva: “por enquanto, não.” Não vamos perder a esperança, porém: um dia, ela chega.

Antes de contar como a nova KTM Super Adventure se comporta, vamos dar uma olhada mais atenta a algum desses equipamentos. O mais significativo é a suspensão WP, com garfo de 48 mm e um mono amortecedor, ambos eletronicamente monitorados pela unidade de controle da suspensão (SCU). Isso acontece em tempo real baseado nas informações de sensores de curso em cada unidade e um par de acelerômetro na dianteira e na traseira. A SCU aplica alterações de amortecimento instantaneamente e constantemente para manter as preferências selecionadas pelo piloto no menu. Há quatro modos: confort, street, sport e off-road. As seleções são totalmente independentes dos modos de rodagem da moto, que usam os mesmos nomes. A pré-carga traseira pode ser ajustada por meio de um menu no computador, enquanto a SCU acerta automaticamente o amortecimento dependendo das leituras de carga e distribuição de peso feitas pelos sensores.

FEITIÇO

Ainda falando sobre feitiçaria eletrônica, o MRS é um meio de limitar a ação do freio motor sobre a roda traseira e ajudar a embreagem deslizante a manter a moto estável sob frenagem forte com redução de marcha. O sistema abre ligeiramente a borboleta para reduzir a carga. Como o controle de estabilidade sabe o ângulo de inclinação da moto, isso também é levado em conta. O Hill Hold Control, o controle de partida em rampa, outro novo recurso, impede que a Super Adventure role para trás em aclives aplicando os freios automaticamente por cinco segundos quando a ECU percebe que o veículo está em uma subida. Tudo sem exigir que você toque nos freios. Se você não arrancar em 5 segundos, a pressão do freio é lentamente reduzida e para que o HHC volte a atuar, só é preciso pressionar os freios novamente.  Isso facilita muito as arrancadas quando você esta com garupa e carga total.

Outra inovação interessante: dois arranjos de LED embutidos na borda da carenagem. Não são luzes auxiliares no sentido tradicional; eles iluminam somente quando a moto esta inclinada. Os três LEDs nos dois lados estão apontados em ângulos diferentes, e eles acendem em sequência à medida que a Super Adventure alcança diferentes ângulos de inclinação.

Com 10 graus, um único LED se acende, seguido pelo segundo a 20 graus, e depois os três a partir de 30 graus. Isso foi pensado para melhorar a luminosidade  em uma estrada sinuosa durante a noite, preenchendo o vazio de quando você inclina a moto e o farol aponta para fora da pista, nos lugares onde voê não quer parar. É útil e genial!

INSANIDADE

Voltaremos a falar de eletrônica. Mas agora, retornamos ao elemento que torna a KTM Super Adventure tão interessante: seu motor. Embora compartilhe muitos componentes com o motor 1290 Super Duke R, como os cilindros bielas e pistões, a massa do volante do virabrequim foi aumentada para 2 Kg para melhorar o trato em baixas rotações. Os cabeçotes e comandos de válvulas também são diferentes. Além disso, o ajuste da ECU é feito sob medida para a moto – não compartilha nada com a naked.

Os engenheiros da KTM ajustaram o motor, dando a ele uma faixa de potencia mais adequada pata uma tourer-aventureira de luxo do que uma insanidade completa como a super Duke R – que produziu 153,7 cv e 12,9 mkgf no nosso dinamômetro. Esperavamos que a Super Adventure revelasse números comparáveis, um alcance de força mais amplo e pouco menos potencia no topo das rotações.

TRASEIRO SALVO

A apresentação da moto foi em Gran Canaria, a segunda maior ilha do arquipélago na costa noroeste da África. Isso pareceu apropriado porque já havíamos pilotado a 1190 Adventure em Tenerif dois anos atrás. Depois de conduzir aquela moto, voltamos e dissemos na r3mototrip que a 1190 era a melhor moto de uso geral já feita. Agora contudo, De3pois de passar dois dias explorando a profusão de estradas sinuosas do interior da ilha, precisamos dizer que esta nova moto supera a 1190.

A primeira coisa que você deve saber sobre a Super Adventure é o seguinte: ela tem desempenho quase diabólico. Apesar de toda eletrônica instalada para salvar seu traseiro quando você não consegue fazer isso, ela ainda é um animal de natureza predatória.

Para ter noção real do que há por baixo das camadas de intervenção, desligamos totalmente o controle de tração, que também por acaso permite a moto empinar. Enquanto íamos em direção às montanhas em um ritmo animado, rapidamente descobri que moto sórdida (no bom sentido) a KTM construiu. Como a Super Duke, a Super Adventure produz aceleração incrível e instantânea. O pneu dianteiro apenas roça a superfície e às vezes ou ocasionalmente a larga em enormes empinadas. Isso é verdadeiramente incrível quando você considera a compostura da Super Adventure com todos os seus sistemas ligados.

REDE DE SEGURANÇA

Navegando pelos modos de rodagem durante nossos dois dias de testes, podemos garantir que a KTM pode agir tão comportada e suave como uma Gold Wing, ajustando sua potência em níveis que dão ao piloto enorme confiança em pista lisa ou molhada. No modo Off-road, você pode soltar a traseira como se estivesse em uma cross gigante e contar com o benefício do controle de tração. Quando o modo Sport é acionado e o controle de tração é ativado, a Super Adventure oferece ao piloto a rede de segurança exata.

Você acompanha todas as regulagens eletrônicas pela tela do computados.

Todos esses sistemas funcionam tão bem juntos que isso nos faz pensar na KTM Seper Adventure como a moto perfeita para qualquer tipo de uso. Assim como a Super Duke R, a Supes Adventure tem potencia em qualquer lugar, mas o que é mais notável é seu torque em baixas rotações. Isso será mais apreciado ao arrancar com a moto carregada com passageiro, bagagem e os 30 litros de combustível no tanque (sete a mais que a 1190).

Aumentando a lista de gerenciamento eletrônico da KTM está o novo sistema semiativo de suspenção da Super Adventure. Junto com o ABS e o sistema de controle de estabilidade (MSC), a suspensão acrescenta outra camada de segurança que pode ser tudo, menos invisível ao piloto, esteja ele entrando rápido em curvas ou cruzando uma rodovia.

GARUPA NA BOA

Uma vez que você seleciona o modo de suspensão, as unidades da WP monitoram constantemente as informações de cada sistema integrado para fornecer o melhor equilíbrio de amortecimento possível. Em nenhuma ocasião nós sentimos a Super Adventure balançar ou parecer ter menos amortecimento que o necessário. O equilíbrio do chassi da frente para a traseira foi sempre excelente, e a quantidade de rodagem foi facilmente selecionável: macia ou firme.

Um dos benefícios colaterais do garfo, que testamos de forma extrema, é a função antimergulho. Nos modos Confort e Street, o garfo fica mais firme sob frenagem forte para impedir que a transferência de peso leve a suspensão ao batente, o que deve deixar seu garupa contente em uma tocada esportiva. Para quem prefere um pouco do mergulho natural para ajudar a moto a esterçar em curvas mais fechadas, o modo Sport permite isso. O sistema reage tão instantaneamente, que nós podíamos senti-lo fazendo os ajustes enquanto atravessava pequenos trechos de asfalto irregular. Também fiquei impressionado com a rapidez da moto em adicionar compressão no amortecimento depois que uma empinada foi amenizada.

Dos novos recursos, o HHC é destaque. Ele funciona exatamente como anunciado, e elimina algumas das frustações de rodar com garupa – especialmente se a garupa for aquela garota que você quer pegar. Foi um pouco mais difícil sentir a eficiência do controle de freio motor, principalmente porque o motor já bem equipado com a embreagem deslizante é muito transparente em seu funcionamento.

Ergonomicamente a nova KTM Super Adventure deu um grande passo adiante. Os novos bancos com controle individual   de aquecimento para piloto e garupa e garupa, são confortáveis e têm bom apoio. Depois de um longo dia dobre a moto, o cansaço não bateu e poderíamos rodar por uns bons quilômetros ainda. Outro grande fator que contribui para o conforto do piloto, é o para-brisa com ajuste manual. Há uma boa amplitude de ajuste de altura para permitir ao piloto encontrar uma bolsa de ar livre de turbulência. A única reclamação é que a borda superior espessa pode distorcer a visão nas curvas de estradas sinuosas.

Por US$ 20.500m(incluindo alforjes) nos EUA, a KTM 1290mSuper Adventure é definitivamente o destaque da marca.

Portando por mais absurda que esta moto tenha parecido originalmente, ela foi bemsucedida ao nos convencer de que essa nova Super Adventure é exatamente a oto que o mercado das aventureiras precisa.

Fonte: cw - Reportagem: Blake Conner

LEIA TAMBÉM

KTM 1190 Adventure melhora no asfalto
Acessórios e equipamentos para Big Trails
Capacete para moto não é boné
África do Sul - Chapman's Peak Drive